10.4.07

Aborto, o público e o privado.

Em artigo publicado nesta terça-feira, 10 de abril, o deputado federal Luiz Bassuma (PT-BA) evoca o Art. 5º da Constituição, que coloca o direito à vida como inviolável, para se contrapor ao debate sobre a situação do aborto no Brasil. Bassuma tangencia o problema de saúde pública que engloba a questão do aborto e, pior ainda, incita a discriminação e ao preconceito.
O deputado ensaia outros argumentos, todos rasos, como o de uma suposta conspiração internacional de empresas e organizações da qual o Brasil seria alvo. Estas organizações, visando à ampliação de sua lucratividade, estimulariam através do aborto o controle da natalidade no país.
Para estratificar o debate e confundir a sociedade, Bassuma divide as pessoas a partir de seus posicionamentos sobre o tema entre dois campos opostos: os que defendem a vida (aqui os contrários ao aborto), e os que pregam a morte (aqui os defensores de um debate sobre o aborto ou do aborto em si).
Porém, Bassuma oculta que atualmente no Brasil mais de 1 milhão de abortos são realizados por ano e que as conseqüências de abortamentos clandestinos são a quarta causa de morte entre as mulheres. As que não perdem a vida recorrem ao SUS para completar a curetagem, e podem apresentar complicações como perfuração de útero, hemorragia e infecção, que em algumas situações podem causar a esterilidade. Dados do Ministério da Saúde apontam que em 2004 aproximadamente 240 mil internações realizadas no SUS foram para curetagem de abortos mal-sucedidos.
Será que todas essas mulheres optaram por interromper uma gravidez indesejada por não estarem conscientes da beleza da maternidade, ou por estarem sujeitas à indústria do aborto como sugere Bassuma?
O que o deputado faz é impregnar uma discussão que é sim, queiramos ou não, de interesse público e social, com aspectos morais e religiosos. Cada um desses pólos do debate precisa ser colocado em seu devido lugar.
Como o Estado é laico, cabe à esfera pública e principalmente aos legisladores, executores e juristas do país discutir as políticas necessárias para promover a igualdade de direitos e a promoção de cidadania, garantindo o acesso pleno a serviços de saúde, educação, à moradia, emprego, cultura, fatores que somados constituem e determinam as condições de vida para homens, mulheres e crianças.
Portanto, se o Estado ignorar que hoje o aborto clandestino é uma questão de saúde pública, ele estará abdicando de exercer sua função e cumprir seu dever constitucional. Daí a oportunidade e importância das declarações do Ministro da Saúde, José Gomes Temporão.
Já, as questões éticas, morais e religiosas que permeiam, sem dúvida, a questão, não são objetos de decisão da esfera pública, mas sim, da privada. Cada indivíduo numa sociedade laica, e tal está previsto em nossa Constituição, é livre para exercer sua religiosidade, sua fé. Apesar de sermos um país majoritariamente católico, as mais variadas crenças têm adeptos no Brasil e, também, há os que não confessam nenhuma religião. Portanto, o juízo de valor ético e moral acerca da vida ou morte são professados em cada religião à sua maneira.
É claro que outras medidas devem fazer parte do arcabouço de políticas públicas para evitar a gravidez indesejada, entre as quais a educação sexual nas escolas, a ampla e gratuita distribuição de preservativos e métodos contraceptivos, porém estas por si só não dão conta, atualmente da situação.
Lembremos que estamos sob o fogo cruzado de um Papa e da Igreja Católica pregando a abstinência sexual e fazendo uma ofensiva contra o uso das camisinhas. A mesma igreja que impede os métodos anticoncepcionais ignora as suas conseqüências.
A descriminalização do aborto não vai transformar a interrupção da gravidez em método contraceptivo, as mulheres não irão adotá-lo de forma irresponsável e banal. O que a descriminalização do aborto fará, isso sim, é dar condições seguras para que as mulheres que optarem pela interrupção da gravidez, o façam em condições seguras de saúde e higiene. Em países que já mudaram suas legislações sobre o aborto, não houve aumento relevante no número de abortos realizados, mas houve uma significativa diminuição das taxas de mortalidade de mulheres.
Já está mais do que na hora do Estado brasileiro assumir a sua responsabilidade e enfrentar esse debate.

5 comentários:

  1. Laura Folgueira5:15 PM

    Oi Rê, tudo bem? Li seu texto e gostei muito, concordo bastante com suas opiniões. Por acaso, escrevi sobre isso no meu blog também, você se importa se eu linkar seu texto lá?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Apesar de suas discutíveis listas de livros chatos vc tem um gosto bom pois aprecia o galeano... conheci seu blog, legal, através de um comentário que vc deixou no blog do cunha lima... e te convido a conhecer o meu ... uma brincadeira contra um politico safado . Eu explico...

    Tomei um calote de Ciro Gomes em 2000 e até hoje não vi a cor da grana...fiz então um blog para anunciar com humor e contundência não só o calote como muitas facetas interessantes desse político cuja maior característica é não ter coerência alguma. O resto você julga... e se gostar espalhe o endereço por aí. Gratíssimo pela atenção...

    Patrício no Pilar
    http://cinevertigem.blig.ig.com.br

    ResponderExcluir
  3. Tariana4:45 PM

    muito bem colocado, Renata
    sempre muito bem

    ResponderExcluir
  4. Anônimo3:07 PM

    Diga não ao aborto!!!

    Você já pensou em quantas vidas são perdidas com o aborto?

    O aborto é um assassinato a sangue frio contra criaturas inocentes que Deus enviou para enriquecer nossas vidas. Como podemos praticar tal ato?

    Jamais saberemos quanto um abortado sofre, ficam deformados, chorando a dor de seus pais o rejeitarem, de sua mãezinha o achar um peso e um intruso. Essas mulheres não param para pensar a felicidade que é ser mãe, algo divino e grandioso, se todas pensassem nos seus atos antes de praticá-los nada disso ocorreria, há vários métodos de se evitar uma gravidez.

    Alguém sabe a definição de curtir a vida?

    Pois vou dizer qual é:

    É saber viver ao lado das pessoas que te amam, é dar amor e receber(sempre tem alguém que nos ama), é acreditar na bondade do Senhor que esta sempre nos carregando no colo, é dar valor ao ser humano, ao seu corpo, a sua alma, a sua vida!

    Curtir a vida não é ir pra festa e se deixar levar pelos vícios que amanhã ou depois vão destruir você e quando você olhar para trás irá se arrepender de não ter "curtido" a vida de uma outra maneira, a maneira do amor, da vida, da paz e da saúde. Uma criança gerada no útero de sua mãezinha nada mais é do que a continuação da própria mãe, é uma vida que esta começando, cheia de amor e de felicidade, cheia de sonhos que são destruídos pelas mãos de um "médico" que jurou salvar vidas e não acabar com elas e o pior é que é com o consentimento dos pais, que por sua vez deveriam se envergonhar de tamanha covardia.

    Tantas jovens se destruindo, achando que estão aproveitando a vida, estão apenas encurtando a vida, não vão levar nada de útil, apenas dor e remorso, por que o aborto é um assassinato.



    Oração para as mães!!!

    Bendito és, meu Pai, por me teres ofertado uma mãe, mulher que deixou desabrochar em seu ventre o meu espírito e me amparou em criança. Foi o guia dos meus dias, o anjo das minhas noites, a mãe das horas difíceis, a amiga dos momentos alegres, conciliadora nas minhas contendas, baluarte do meu caráter. Mãe, pronuncio teu nome baixinho para os outros, mas para o meu coração uma sinfonia de amor. És também bendita, toda minha. Só tu, mãe, me conheces como sou e me amas mesmo assim. Flor do meu caminho, alicerce do meu lar, brisa da minha vida. Mãe querida, que Deus te abençoe, és meu anjo protetor.

    Oração extraída do livro "Deixe-me Viver" por Luiz Sérgio, autor espiritual.


    Oração!!!

    "Senhor, tem piedade de quem pratica o aborto, mas tem piedade maior daqueles que podem evitar esse assassinato e permanecem indiferentes, por julgarem que em um feto não existe vida. Os aborteiros, pelo dinheiro fácil, estão violentando as leis da natureza. Senhor, por caridade, faze descer sobre todo o planeta a luz do esclarecimento, para que os homens deixem nascer aqueles que se submetem a toda uma trajetória de reencarne e depois são assassinados a sangue frio por seres sem fé e sem amor. Apieda-Te de todos nós e faze de cada homem um instrumento da Tua paz."


    Oração extraída do livro "Deixe-me Viver" por Luiz Sérgio, autor espiritual.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo2:05 AM

    enfermeira julia // Nov 9, 2008 at 05:22

    ola sou emfermeira do hospital das clinicas de são paulo.
    trabalho no estoque do hospital,mexendo com essas medicações.

    MIFEPRISTONE MISOPROSTOL E RU 486

    misoprostol 200 mg é a formula do medicamento cytotec, usado em quase todo o mundo para fins abortivos e ajuda de parto normal, também usado no tratamento de ulceras.

    Para 1 a 8 semanas de gestação ira precisar de 3 comprimidos misoprostol 200 mg (cytotec) e/ou mifepristone, sera ministrado 2 via oral e 3 via uterina (o mais profundo possivel) e depois de 6 a 8 horas ira sentir o efeito (dores menstruais, colicas dores abdominais, contrações uterinas etc), logo após isso acontecer voce ira ter o inicio da menstruação e junto ao sangue ira descer o saco gestacional.

    CUSTO DO MIFEPRISTONE + MISOPROSTOL
    E DE 600,00

    Após 16 semanas de gestação recomendo a injeção Abortion ru 486. ESTA INJEÇÃO ELIMINA O FETO ATRAVÉZ DE TAQUICARDIA E FALTA DE OXIGENIO, CAUSANDO A FALENCIA TOTAL DO FETO.

    Injetavel Abortion RU-486 5 ml R$ 900,00
    se dúvidas me add no msn?
    enfermeira_julia@hotmail.com

    ResponderExcluir