18.11.06

Um mergulho no Céu de Suely


Mergulhar nos sonhos de Hermila, viajando pelo Brasil ao seu lado, é reconhecer um pouco que seja dos desejos de muitas mulheres e, porque não, de muitos homens deste imenso país. Quem é Hermila? É Suely, mas poderia ser Joana, Cláudia, Fernanda, Renata.

"O Céu de Suely", segundo longa-metragem de Karim Aïnouz (Madame Satã) é esse mergulho. Almodóvar e suas mulheres é como se referem às obras do diretor espanhol. Agora, temos Karim e suas mulheres. A história do filme é fundamentalmente feminina, sem ser em nenhum momento feminista.

Aïnouz procurou na realidade a ficção, e vice-versa. Os personagens se emaranham com atrizes e atores, a ponto de não se saber onde começa e acaba um ou outro. A começar pela escolha, inédita, de adotar no filme o nome real de cada ator. "Emprestei mais do que meu corpo a Karim, eu lhe dei a minha alma" disse Hermila Guedes, que viveu Hermila, sua primeira protagonista.

O céu, sempre grande na tela, nos remete a imensidão de nós mesmos, aos dilemas sociais contemporâneos da globalização que vai abraçando ao seu modo cada cantinho do país, numa mistura que liberta e ao mesmo tempo oprime.

Depois de deixar Iguatu, no sertão do Ceará, para viver com seu amor juvenil as descobertas e possibilidades da ‘cidade grande’, Hermila retorna à terra natal com um filho nos braços, a espera que logo em seguida o marido se junte a ela.

A narrativa, sem tropeços, mas também sem querer abarrotar o espectador de informações, vai mostrando quem é Hermila que, ao se deparar com o fato de que o marido a abandonara, sai em busca de outros caminhos para encontrar o seu paraíso.

O olhar para o nordeste também é outro em "O Céu de Suely". Menos estigmatizado, ele mostra que o lá e o cá estão integrados. Há um pouco de Iguatu em cada metrópole deste país, assim como há um pouco de São Paulo em Iguatu, ainda que pelas mechas descoloridas do cabelo de Hermila.

A fotografia de "O Céu de Suely" é ousada e abusa de quadros desfocados, que podem ser vistos tanto como uma opção estética, mas também como um elemento narrativo, já que a própria vida muitas vezes parece perder o foco. A excelência da captação e edição de som merece registro, num cinema nacional tantas vezes criticado por deficiências neste campo.

A trilha sonora é marcada por versões de grandes sucessos internacionais. A escolha foi proposital, segundo Aïnuouz "faz parte da construção do cenário que é local e global, marca dos dias atuais".

Vencedor do Festival do Rio (Melhor Filme, melhor diretor e melhor atriz), O Céu de Suely é uma das melhores produções nacionais dos últimos tempos. Mergulhe de cabeça.

Ficha Técnica:
O Céu de Suely – 88 min.
Direção – Karim AïnouzProdução – Walter Salles, Maurício Andrade Ramos, Hengameh Panahi, Thomas Häberle, Peter Rommel (Brasil, França, Alemanha, Portugal)
Elenco - Hermila Guedes
Georgina Castro
Maria Menezes
João Miguel
Zezita Matos
Mateus Alves
Gerkson Carlos

resenha escrita para o site www.estudantenet.com.br

2 comentários:

  1. Então, Rê, vou ver ainda esta semana e aí faço minhas observações. Mas é quase certo, apenas pelo trailer e por tudo o que já li, que eu vá gostar tanto quanto você.

    De antemão, já fica a triste constatação de que o brasileiro não dá valor às coisas boas que são feitas por aqui.

    "O Céu de Suely", por exemplo, pode se dar por satisfeito de atingir um público de 30 ou 35 mil pessoas em todo o país. Isso é o que qualquer porcaria de Hollywood consegue apenas no dia da estréia.

    (E vejam que eu não sou aquele tipo de sujeito metido a cult que despreza tudo o que vem de lá. Pelo contrário.)

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Vandré2:42 PM

    Excelente nota sobre o filme. Vi e é sem dúvida, um dos melhores filmes nacionais. Concordo com a observação do Rodrigo. Tem gente que torce pro Brasil ganhar um Oscar (prêmio de cinema para americano ver), mas não vai nunca pagar um ingresso pra ver o produto nacional. Tem filme brasieliro que é mais visto nos EUA e Europa do que aqui. Triste constatação. Quem não viu o "Céu de Suely" corra, porque filme brasileiro é por tempo limitado.

    ResponderExcluir